A agricultura familiar tem dinâmica e características distintas em comparação à agriculturas não familiares, nela, a gestão da propriedade é compartilhada pela família e a atividade produtiva agropecuária é a principal fonte geradora de renda. No Brasil, representa mais da metade das atividades no setor e está em constante evidência pela maneira sustentável que relaciona o agronegócio ao meio ambiente.

A agricultura representa o maior setor da economia mundial, e é essencial para o desenvolvimento da sociedade. São várias as modalidades que a agricultura possui, mas a que se encontra sempre em destaque é a familiar. A definição de agricultura familiar é estabelecida pela Lei nº 11.326, sancionada em julho de 2016, determinando que a agricultura é familiar quando a mão de obra da família é predominante, a maior parte da renda é obtida através da agropecuária, e o terreno utilizado não ultrapassa 4 módulos fiscais, sendo que o tamanho de cada módulo fiscal varia de município a município, cada um tendo entre cinco e cem hectares. A média nacional dos das propriedades de agricultura familiar são 18,37 hectares, correspondente a 183.700 m2.

Fonte: Internet

Pode-se dizer, que a agricultura familiar é a verdadeira produtora de alimentos no país, e de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social, cerca de 70% da produção na agropecuária provém da agricultura, sendo a mandioca a majoritária desse índice, com produção familiar compondo cerca de 87% da nacional, versus os 21% do trigo e 70% do feijão. Essa mesma representatividade surge no setor pecuário, com a agricultura familiar contribuindo em 59% da produção de suínos, 50% das aves, 30% dos bovinos e 58% da produção de leite.

Um dado interessante é que, segundo o último censo Agropecuário do IBGE de 2006, havia no Brasil cerca de 4.367.902 estabelecimentos de agricultura familiar, compondo mais de 84% do total, e por outro lado, a área por eles ocupada era apenas 24,3%, o restante gerido por grandes latifundiários.

Segundo o mesmo censo, foram registradas aproximadamente 12,3 milhões de pessoas trabalhando na agricultura familiar, onde 75% eram homens e 25% mulheres.

A agricultura familiar cresceu e se tornou importante para a economia, devido aos incentivos públicos e privados que recebeu ao longo dos anos, essa modalidade de agricultura chama a atenção por sua alta produtividade, ao mesmo tempo que o impacto para o meio ambiente é reduzido consideravelmente, uma vez que não são necessárias grandes áreas para o plantio, e o terreno pode ser diversificado para múltiplos usos.

(Fonte: www.mda.gov.br/agriculturafamiliar)

 

Compartilhe esse post!