A erva mate foi descoberta pelos guaranis da região nordeste da Argentina no século XVI. Os guaranis passaram este conhecimento aos colonizadores espanhóis, que o disseminaram por todo o Vice-Reino do Rio da Prata. No século XIX, o Paraguai se isolou dos outros países, proibindo a exportação de erva mate para fora do país, isto induziu Argentina e  Uruguai a substituírem a erva mate paraguaia pela brasileira. Desta forma, desenvolveu-se o cultivo e o beneficiamento da planta em Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul.

Historicamente, a erva mate tem sido um dos principais produtos agrícolas da região Sul do Brasil e, atualmente, é o principal produto não madeireiro do agronegócio florestal dessa região. Devido ao seu grande potencial econômico, social e ecológico, a cultura ervateira se constitui numa das melhores opções de emprego e renda, especialmente para os pequenos e médios produtores rurais. Estima-se que seu cultivo, no Brasil, abranja aproximadamente 700 mil ha, localizados em mais de 480 municípios, distribuídos em cerca de 180 mil propriedades e proporciona 700.000 postos de trabalho. A iniciativa de se estabelecer plantios da espécie aumentou a necessidade de desenvolvimento de técnicas silviculturais e da disponibilização de tecnologias ao setor ervateiro, incluindo as pequenas e médias propriedade rurais.

Segundo a EMBRAPA, o Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional de folha verde de erva mate com uma produção média de 278.044 toneladas/ano no período de 2013-2015, com 48% da produção nacional, seguido do Paraná com 212.777 (T)/ano, Santa Catarina com 80.228 (T)/ano e Mato Grosso do sul com 2.587 (T)/ano. O Estado gaúcho é responsável por 65% desse consumo. As exportações brasileiras de erva-mate chegam a uma quantidade de 35 mil toneladas ano. Anualmente estima-se que o setor produza ao redor de 1,2 bilhão de reais na cadeia produtiva ervateira.

Erva Mate

Fonte: IBGE

A área de distribuição natural da erva mate abrange, aproximadamente, 540.000 km², cerca de 3% do território da América do Sul, compreendendo áreas do Brasil, Argentina e Paraguai, situadas entre as latitudes de 21°S a 30°S e longitudes de 48°30´W a 56°10´W. A erva mate chega a atingir uma altura de 12 metros, seus frutos são pequenos com coloração roxa ou verde, as folhas são ovais e o caule é cinza. Por ser muito sensível à luz solar, a plântula exige uma técnica de sombreamento até que a planta amadureça.

Análises e estudos sobre a erva mate têm revelado uma composição que identifica diversas propriedades benéficas ao ser humano. O consumo da erva-mate está relacionado também ao poder que ela tem de estimular a atividade física e mental, atuando beneficamente sobre os nervos e músculos, combatendo a fadiga, proporcionando a sensação de saciedade, sem provocar efeitos colaterais como insônia e irritabilidade. Ajuda também na circulação, acelerando o ritmo cardíaco e harmonizando o funcionamento bulbo medular. É considerada ainda um ótimo remédio para a pele e reguladora das funções cardíacas e respiratórias, além de exercer importante papel na regeneração celular.

A preferência é muito particular de cada mateador ou região do Estado. Cada um tem preferência por um tipo ou marca de erva mate. De maneira geral, os aspectos mais relevantes que levam o consumidor adquirir a erva para o seu chimarrão são a cor, o sabor, a granulometria (se grossa ou fina) e o preço. No Brasil, os consumidores em geral preferem o produto recém fabricado, de coloração verde, sabor suave ou forte, com palito e bastante espuma.

 

(Fonte: http://www.ecodatradicao.com.br/erva-mate)

 

 

Compartilhe esse post!