Defensivos agrícolas são substâncias ou misturas, naturais ou sintéticas, usadas para destruir plantas, animais (principalmente insetos), fungos, bactérias e vírus que prejudicam as plantações. Enquadram-se em várias categorias: germicidas, que destroem microrganismos patogênicos e embriões; fungicidas, que eliminam fungos e fungões; herbicidas, que combatem as ervas daninhas que brotam no meio de certas culturas e prejudicam seu desenvolvimento; raticidas; formicidas; cupinicidas e outros.

O combate às pragas da lavoura é indispensável para assegurar a integridade das colheitas, mas pode acarretar efeitos negativos quando realizado com emprego inadequado de defensivos agrícolas. Entre as piores conseqüências do uso desses produtos se enumeram a agressão ao meio ambiente, a contaminação de alimentos, prejuízos para a saúde de quem os manipula e a imunização progressiva aos agrotóxicos dos seres vivos que se pretende eliminar, o que acaba por exigir o emprego de drogas cada vez mais potentes e em quantidades maiores.

Defensivos Agrícolas

Fonte: Internet

O uso impróprio de defensivos agrícolas podem afetar a eficácia do produto. Confira as três falhas mais graves ao realizar a aplicação de defensivos, na opinião do especialista em tecnologia de aplicação da Jacto Daniel Petreli da Silva.

  • Realizar a aplicação sem calibrar a máquina

Antes de utilizar o pulverizador, é necessário verificar o volume de aplicação e adequá-lo com a recomendação do fabricante do produto fitossanitário. Dessa forma, ajustam-se também a velocidade de cada aplicação em determinado pasto e as especificações de vazão/pressão de trabalho.

  •  Utilizar água de bebedouros, lagos ou riachos

A presença de resíduos (material orgânico) na água pode prejudicar a qualidade da calda do produto no momento da aplicação. Isso porque podem ocorrer reações químicas entre os materiais orgânicos presentes na água e as moléculas dos herbicidas, por exemplo, comprometendo a aplicação e a eficácia do defensivo agrícola.

  • Não verificar as condições climáticas antes da aplicação

Ao não checar as condições climáticas e demais aspectos defendidos nas Boas Práticas Agrícolas, podem ocorrer perdas por evaporação ou até mesmo deriva, não atingindo a eficácia esperada, pois as condições estavam fora do limite recomendado. É necessário respeitar as distâncias mínimas recomendadas e também utilizar bicos de pulverização específicos e adequados, com gotas mais grossas, por exemplo, que resistem à deriva.

O uso de defensivos agrícolas de forma consciente sem dúvida é o método mais eficiente de manejo. Nesse sentido, o melhoramento genético somado à utilização dos defensivos geram plantas muito mais produtivas, sadias (livres de doenças) e, por vezes, mais resistentes à pragas. Assim, é possível aumentar a produtividade e até mesmo reduzir o uso de defensivos.

 

(Fonte: Site Pasto Extraordinário)
Compartilhe esse post!