milho é um conhecido cereal cultivado em grande parte do mundo e devido às suas qualidades nutricionais, é utilizado tanto como alimentação para população, quanto para ração animal. Conforme a CONAB, a produção brasileira deve aumentar na comparação entre as safras 2017/2018 e 2018/2019, passando de 82 milhões para 96 milhões de toneladas respectivamente.

No ranking mundial, o Brasil atualmente é o terceiro maior produtor de milho. A China em segundo, podendo chegar a 225 milhões t na safra 2018/2019. De acordo com estimativa do USDA, os Estados Unidos, para 2018/2019, sofrerá uma oscilação no desempenho da produção, ficando em 361,4 milhões t.

De acordo com a CONAB, a melhoria brasileira projetada representa uma retomada, visto que o país passou por problemas climáticos na safra deste ano. Outro fator para o aumento da produção deve ser a ampliação do consumo, que conforme o USDA deve ir de 59,8 milhões para 65,5 milhões t entre a safra deste ano e a do ano que vem. Contudo, os técnicos da CONAB consideram essa projeção difícil de ser concretizada.

milho

Fonte: farmnews.com.br

Conforme o USDA, as exportações brasileiras de milho 2017/2018 devem sair de 27 milhões t para 31 milhões na safra 2018/2019. A margem significa uma recuperação do patamar da safra 2016/2017, quando o país registrou 30,8 milhões de toneladas enviadas para fora.

Ainda segundo o USDA, a produção mundial de milho deve atingir em 1,054 bilhão na safra 2018/2019, com uma leve oscilação frente ao ano anterior, quando ficou em 1,033 bilhão. A estimativa é menor do que o registrado em 2016/2017, quando chegaram ao mercado 1,078 bilhão de toneladas do grão.

O consumo do milho entre as pessoas vem aumentando levemente, as formas mais comuns de consumo do milho são: cozidos sem casca, assados em espiga inteira com manteiga por cima, em grãos para pipoca ou canjica de milho. No preparo das refeições o mais indicado é o óleo de milho, já que graças a suas propriedades ele dificulta a composição de flocos (placas) de gordura no sangue, conseguindo controlar ou diminuir então os níveis de colesterol ruim (LDL).

 

FONTE(Agencia Brasil)
Compartilhe esse post!