Segundo dados da ABIEC (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes)¹, “as exportações brasileiras de carne bovina fecharam 2018 com 1,64 milhão de toneladas exportadas, volume 11% acima do registrado em 2017”. Esses números consolidam o Brasil como maior exportador mundial de carne bovina, alcançando US$ 6,57 bilhões de receita, um crescimento de 7,9% em relação a 2017.

Os números positivos são fruto de melhorias constantes em todas as etapas do processo produtivo que, conforme ressaltou Antônio Jorge Camardelli, presidente da Abiec, “nos permite cumprir as mais exigentes regras internacionais com uma carne de qualidade e competitiva”. O recorde também evidencia a qualidade da proteína produzida no país, que teve como principais destinos Hong Kong e China, enquanto Hong Kong foi responsável por 24% do volume total embarcado, a China representou 22,63% do faturamento, um montante de US$1,49 bilhão. Além desses, vale ressaltar os mercados da União Europeia, Chile e Emirados Árabes que, em 2018, tiveram aumento na importação em volume e faturamento em relação ao mesmo período de 2017.

“Os melhores resultados desse ano foram registrados no segundo semestre, com destaque para o mês de setembro, cujos embarques somaram 178 mil toneladas e faturamento de US$ 700 milhões. O resultado representa crescimento de 31,75% em volume e 25,86% em faturamento ante o mesmo período do ano passado.”

 

Fonte: ABIEC

 

Dentre as melhorias no processo produtivo, vale destacar o constante investimento no melhoramento genético dos animais. O uso de novas técnicas e tecnologias proporcionam o melhoramento do gado de corte e dos reprodutores bovinos, contribuindo para o aumento dos rebanhos no país bem como da qualidade da carne produzida, contribuindo com toda a cadeia produtiva. Falamos sobre genética bovina em um outro post, clique aqui para ler mais sobre o assunto.

 

 

http://abiec.com.br/download/exportacoes%20fecham%20com%20recorde.pdf

 

Compartilhe esse post!