O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) publicou ontem, dia 29, uma nota em apoio à atuação dos médicos-veterinários em Brumadinho/MG. 

Segundo a nota, dia 28/01 foram abatidos 2 animais que estavam há 4 dias atolados, nesse caso foi usado um rifle sanitário para o abate, devido ao local ser de difícil acesso.

A Defesa Civil de Minas Gerais informou que animais resgatados com vida estão recebendo cuidados em um sítio, também há animais no local do rompimento da barragem que estão sendo alimentados e cuidados até que seja possível resgatá-los.

“Contudo, existem animais que não reúnem condições para resgate com vida em decorrência do estado e características do local do desastre. Para esses casos, uma equipe de veterinários está apta a realizar a eutanásia por meio de injeção letal”.

O sacrifício dos animais em Brumadinho está sendo visto como crueldade e descaso por muitos, porém, de acordo com artigo 3º da Resolução 1000, a eutanásia pode ser indicada quando “o bem-estar do animal estiver comprometido de forma irreversível, sendo um meio de eliminar a dor ou o sofrimento dos animais, os quais não podem ser controlados por meio de analgésicos, de sedativos ou de outros tratamentos”.

Conforme nota da Comissão Nacional de Bem-Estar Animal do CFMV:

Por convicção, inspiração cívica e comprometimento com o bem-estar dos animais envolvidos na catástrofe de Brumadinho (MG), os médicos-veterinários brasileiros em atividade no local, voluntários ou não, estão buscando minimizar os danos à saúde física e mental dos animais presentes na área do acidente.

Cabe frisar que todo médico-veterinário possui formação técnica para realizar o diagnóstico das condições de saúde dos animais e, em casos extremos, de acordo com as resoluções técnicas do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), proceder com o sacrifício humanitário ou com a eutanásia.

Ressalta-se que o método de escolha para o sacrifício passa também pelas condições em que o animal se encontra. Zonas de guerra, de acidentes de grandes magnitudes ou de catástrofes naturais muitas vezes são áreas cujas variáveis do ambiente não estão sob o controle do médico-veterinário. Assim sendo, e não havendo condições de segurança ou de acesso até o animal para remoção ou contenção química por anestésicos, o sacrifício com o uso de rifle é aceito.

Fontes:

http://portal.cfmv.gov.br/noticia/index/id/5985/secao/6

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-01/defesa-civil-de-mg-acompanha-situacao-de-animais-vitimas-de-tragedia

Compartilhe esse post!