Existem, dentro da corretagem de imóveis rurais, pessoas que atuam de forma indireta, sem CRECI e, muitas vezes, “enrolam” proprietários e/ou clientes compradores, esses estão indo pelo caminho errado. Dessa maneira, acaba denegrindo a imagem dos que batalham para atuar de forma correta e ética no mercado imobiliário rural.

Um profissional que age dessa maneira é o que causa a falta de confiança por parte dos proprietários e clientes compradores. “Enrolar” os clientes significa passar informações erradas, que não possui certeza, não dar a devida atenção aos clientes e ao que eles realmente precisam, não entender dos documentos e trâmites necessários para efetivar a venda/compra de um imóvel rural, mas fingir saber…

Esses são apenas alguns exemplos de como essas pessoas acabam atuando de forma errônea na corretagem rural.

Portanto, para atuar como corretor de imóveis, tanto urbano quanto rural, é necessário ter registro, o famoso CRECI. Esse é supervisionado pelo CONSELHO FEDERAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS – COFECI, que busca a fiscalização da ética dos corretores de imóveis em todo território nacional.

Porém, nem sempre as pessoas buscam atuar de forma correta, dentro dos parâmetros da lei. Em virtude disso, é que surgem os conhecidos “picaretas” dentro da corretagem – rural e urbana. Você, corretor, já deve ter ouvido essa expressão. Com certeza algum cliente já deve ter mencionado alguma situação frustrante que passou ao buscar um imóvel. E de fato, esse cliente está cansado de profissionais nos quais não pode confiar.

Como ser um profissional da corretagem rural sério?

Mas o que fazer? Como posso mudar isso? E a resposta é muito simples! Seja sempre um profissional sério e correto. Mostre e imponha ao seu cliente que você é o corretor rural certo para encontrar a área, propriedade que ele deseja.

Comece se apresentando, informando que possui o registro emitido pelo CRECI, venda sua imagem, de forma positiva. Afinal, a primeira impressão é sempre a que fica. Segundo, procure conhecer seu cliente, entenda as necessidades dele, ouça o que ele tem a dizer. Só assim, e somente assim, é que conseguirá ir conquistando sua confiança.

Isso o diferenciará do corretor “picareta”, que só se importa com a venda. Ou que “descarta” o cliente se percebe que não vai de fato concretizar a venda naquele momento. Por isso a importância de filtrar bem o cliente, conhecer seu potencial, para que mesmo agora ou depois, você adquira uma venda satisfatória!

Poucos profissionais qualificados

E para o corretor que atua no meio rural, isso se torna mais importante ainda. Pois temos poucos profissionais qualificados nesse mercado, o que aumenta a “picaretagem”. Busque estar bem informado sobre documentações de uma área, tipos de produção que mais se adequam a tal região ou solo, aos índices pluviométricos, por exemplo.

Seja aquele corretor rural que fala a verdade na hora de informar sobre uma área. Que não vai mentir sobre o de estrada que chega até a propriedade, ou ainda a distância do asfalto à propriedade. São pequenas coisas que quando somadas, podem te definir como um corretor rural sério ou picareta.

Por isso, busque se capacitar. Estar em constante aprendizado, unindo conhecimento e prática, pois ambos caminhando juntos, com uma certa dedicação, irão render muito mais benefícios. Além de ganhos monetários, ser um profissional capacitado, sério, que trabalha pouco e consegue ter uma comodidade maior para realizações pessoais.

Compartilhe esse post!